expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>
text-shadow:

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

BR 319: Uma aventura no coração da Floresta Amazônica!

 O relato de uma viagem inusitada por uma das piores rodovias federais do Brasil!






A felicidade do Dyxklay em dirigir em solo amazonense!

26/10/2015= Envolvidos pelo desejo do Dyxklay de dirigir o seu Troller em solo amazonense, fomos até Humaitá que fica a 204 km de Porto Velho, onde estávamos hospedados na viagem de volta do Acre.

Passeamos pela simpático município e ao parar em frente a prefeitura para fotografá-la parou um carro com um adesivo enorme: "BR 319 Já!". Tratava-se de uma comitiva saindo de Humaitá formada por senadores, deputados federais e empresários de Rondônia e Amazonas para atravessar a BR 319 rumo a Manaus em prol da reconstrução da rodovia que esta abandonada há décadas, o objetivo da comitiva é também mostrar a viabilidade econômica da estrada para os estados. 

Prefeitura Municipal de Humaitá - AM

Parte da obra na BR-319 está interditada pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama). 

Segundo o Ibama, foram constatadas irregularidades e graves danos ambientais na obra, que apontou a execução de obras sem licença ambiental adequada, além de irregularidades como supressão de Área de Preservação Permanente (APP), estocagem de madeira sem licença, destinação irregular de efluentes, utilização de material de jazidas, intervenções em corpos hídricos, alargamento de pista, construção de bueiros, desvio de ponte danificada e alojamentos para trabalhadores sem condições mínimas de segurança e salubridade. (G1)

Fomos convidados pelo secretário (que infelizmente não anotamos a secretaria nem o nome do mesmo) a partir no dia seguinte com a tal comitiva. Foi um convite tentador, pois era um sonho antigo do Dyxklay, atravessar essa estrada que liga Porto Velho a Manaus, a lendária BR 319.

Naquele mesmo dia fomos até o início da rodovia e lá tem uma placa quase apagada informa: “Manaus a 747 quilômetros”. e é exatamente o percurso de uma das piores estradas do país.  O Dyxklay me falou do desejo em atravessar aquela rodovia, ir a Manaus e depois ir até Boa Vista, mas as condições da estrada não são boas, há relatos de pessoas que já a fizeram e passaram 3 dias até o seu término. E que na época das chuvas – seis meses por anos, é bom lembrar – fica praticamente isolada por falta de condições na estrada.

Segundo as informações do tal secretário que nos convidou a participar do comboio, a estrada continua precária, porém a travessia é tranquila pois estávamos no verão. Ela fica impraticável no inverno e esse é um dos motivos pelos quais o evento estava prestes a acontecer.

Voltamos a Porto Velho em silêncio absoluto, o Dyxklay precisava pensar. Era uma oportunidade única em fazer aquela viagem acompanhado de outros tantos veículos, até por que, o Troller já havia quebrado algumas vezes durante aquelas férias. E resolvemos juntos: vamos sim! Compramos água, red bull e biscoitos, abastecemos o Troller e o galão e saímos as 3 horas da manhã de Porto Velho com destino a Humaitá e de lá, seguimos com a comitiva rumo a Manaus. Um comboio de mais de 30 veículos 4X4 e dois ônibus, numa aventura inesquecível pela floresta amazônica.

27/10/2015= Colamos o adesivo no carro, vestimos a camiseta e a causa. 







A ida

Poeira, buracos, travessias de pontes quebradas, balsas demoradas, um calor de matar e o visual encantador da floresta amazônica, com seus rios e igarapés e aves maravilhosas, contrastes e nuances da dura realidade se multiplicam em uma das regiões mais preservadas da Amazônia. Longe dos olhos do Estado, a vida segue. Nem mesmo a profusão de buracos e atoleiros de todos os tamanhos, que insinuam as dificuldades para tocar a obra, têm sido obstáculo a uma corrida migratória no sul do Amazonas. Pudemos constatar, diante do abandono em que muitas comunidades vivem. Faltam escolas, falta transporte, falta saúde... Só não faltam comida e esperança.





Observem o destaque laranja lá no finalzinho da fila! <3

O lugarejo de nome Realidade a 100 km de Humaitá foi a nossa primeira parada dentre algumas que aconteceram ao decorrer do dia. Um café da manhã foi preparado para receber a comitiva e ali aconteceram discursos dos políticos. Isso fez com que nossa viagem se tornasse ainda mais longa e como não sabíamos o que iriamos encontrar pela frente para seguirmos sozinhos e apesar do atraso, foi divertido. O Troller em si chama a atenção e no meio daqueles veículos de “amigos políticos” havia um casal do Rio de Janeiro e isso causou curiosidade de muitas pessoas em saber o motivo de estarmos ali.










Por volta das 14:30h, chegamos a comunidade de Igapó-Açu, que nas atuais condições da BR-319 vive praticamente isolada do resto do país e é onde está instalada a balsa que faz a travessia dos veículos e fomos quase os últimos a embarcar, pois a prioridade eram os carros dos políticos e os ônibus. Ao fazer a travessia, perdemos a comitiva de vista e anoiteceu.





O próximo município, Careiro, estava há cerca de 250 km e a estrada era praticamente deserta. 

Estávamos exaustos e há mais de 10 horas de estrada, tivemos a boa surpresa de um asfalto melhor e ao chegar em Careiro Castanho, procuramos por um hotel. Fomos recepcionados e acolhidos por dois casais e ali mesmo ficamos. Jantamos, conversamos, trocamos telefone, demos muitas risadas, fomos entrevistados pela rádio local e depois e fomos finalmente descansar.


Amigos que as viagens nos dão de presente!

28/10/2015= No dia seguinte, demos continuidade a nossa viagem e mais trechos com buracos estavam a nossa frente.  Chegamos a Careiro da Várzea, embarcamos na balsa e a mãe natureza continuava a nos prestigiar com a sua beleza, a travessia do famoso encontro do Rio Negro com o Solimões e finalmente, chegamos a capital amazonense: Manaus!






Manaus

Em Manaus, aproveitamos a oportunidade de fazer a foto no Palácio do Governo Estadual (Rio Negro) e ficamos hospedados na casa de um casal de amigos, o Almir e a Ingrid. 

30/11/2015= Fomos até Novo Airão nadar nas águas do Rio Negro e brincar com os botos cor-de-rosa.







 Prefeitura Municipal de Novo Airão


02/11/2015= Estávamos há apenas 974 km de distância de Roraima pela BR 174 que ao contrário da BR 319 é excelente! O único desafio é atravessar um trecho de cerca de 100 km dentro da Reserva Indígena Waimiri Atroari, onde só é permitido trafegar durante o dia, para não afetar a tranquilidade noturna da comunidade, as cancelas são fechadas. A reserva é linda, com árvores que formam túneis e não é permitido parar. Pena que como fizemos as fotos em movimento, ficaram embaçadas. 



Chegamos a Roraíma! A placa onde está localizada a divisa dos estados está dentro da reserva, mas foi um pit-stop necessário e rápido, não podíamos perder a oportunidade de fazer esse registro.




O marca da Linha do Equador que é uma local muito interessante, está abandonado. Todo pichado e cm muito mato. O Brasil tem tantas atrações turísticas importantes como essa e precisa atentar para fazer um marketing legal. (Oi, estou aqui, sou marketeira e viajante!)





Em Boa Vista, fotografamos o Palácio Senador Hélio Campos e passamos quatro dias. é uma capital muito bonitinha, bastante florida, organizada, tranquila e com ruas largas e praças enormes (algumas estavam sendo reformadas). e fomos até o extremo norte, Uiramutã, como o nosso projeto de visitar os quatro pontos extremos do Brasil que você lê aqui 

Prefeitura Municipal de Boa Vista


Extremo norte do Brasil: Uiramutã! (05/11/2015)

Retornamos para Manaus e estávamos mantendo contato com os recém amigos de Careiro e estava chovendo, isso nos preocupava pois sabíamos as condições da estrada e dessa vez iríamos atravessa-la sozinhos.



A volta


07/11/2015= Optamos por dormir em Careiro pois seria quase 200 km a menos de percurso. Encontramos nossos amigos e nos dia seguinte acordamos cedo e colocamos as rodinhas na estrada. Havia chovido bastante o trecho de Careiro a Igapó-Açu que tem rodovia, estava bastante escorregadio. Era difícil controlar o votante naquela situação. 



Enfim, chegamos a Igapó Açu, atravessamos a balsa e seguimos viagem.





Graças a Deus naquele dia fez um dia de sol lindo, secando o barro e facilitando nosso trajeto. 

Encontramos pelo caminho ônibus caídos, caminhões atolados, passageiros aguardando por socorro, pontes quebradas e desvios rompidos.





Contabilizamos 76 pontes todas de madeira empenadas que parecem que vão cair a qualquer momento e dessa vez, tinha água com bastante correnteza abaixo delas. Trechos inteiros de barro em que não sobraram vestígios do asfalto e buracos capazes de engolir um carro inteiro. Em diversos trechos, não é possível ver sequer vestígios do asfalto.









Apesar de tanta dificuldade encontrada, a cada parada contemplamos o canto dos pássaros, os igarapés e o barulho dos rios. Eu ficava procurando jacarés, observando as aves, filmando e fotografando enquanto o Dyxklay dirigia. A velocidade média chegava a 100 km/h.


Encontramos algumas placas anunciando a reconstrução da rodovia.






Saímos com o nascer e chegamos ao nosso destino, Porto Velho com o pôr do sol, abençoando nossa viagem e nos proporcionando apreciar a floresta até o final. Foram 747 quilômetros de barro, algum asfalto, buracos e muita, mas muita floresta.


Nossa maior aventura até hoje! E uma aventura especial, no coração da Floresta Amazônica.






Esse é o desenho de uma rodovia federal do nosso Brasil!



Makenna Figueiredo.

44 comentários:

  1. Que aventura amiga! Cansativa, porém gratificante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga, muita aventura mesmo! Até agora é a maior do nosso currículo de viajantes.
      Um abraço!

      Excluir
  2. Sou louca para conhecer a Amazônia.
    Que aventura incrível a de vocês!
    Gostei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eloah, visite-a! Tem muita coisa a ser descoberta ainda naquela região.
      Um beijo.

      Excluir
  3. Que aventura essa em. Mas acredito que apesar de todo o ocorrido e acontecimentos, saiu dai com uma grande experiencia e com histórias para contar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi uma aventura e tanto!
      Faríamos novamente, haha!
      Abraços.

      Excluir
  4. Genty, que loucura essas estradas ne... parece brincadeira quando vemos nos jornais... mto triste!
    Mas que bom que depois valeu a pena, isso é o mais gratificante! Obrigada por compartilhar essa historia com a gente.
    beijao
    Julia @osvoosdaxoana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Julia, o Brasil está repleto de lugares abandonados e esquecidos, e nem precisamos nos perguntar para onde estão indo os nossos impostos, né?
      Que bom que vc gostou, fico felizzzzz!!!
      Um beijo!

      Excluir
  5. Que estradas loucas! ahhahaha para quem viaja é pura diversão, mas quem precisa daquilo é uma tristeza só!

    Adorei essa viagem que voce fez pela amazonia, de carro! Deu vontade de fazer igual!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pura adrenalina!!!
      Se tiver disposição faça, mas evite o período das chuvas, tá!
      Abraços, Ana!

      Excluir
  6. Uau! Gente.. Que aventura! rs. A gente só acredita quando conhece né? Infelizmente é muito triste o descaso por lá. Tenho muita vontade de conhecer a Amazônia, quem sabe um dia. Obrigada por dividir essa experiência conosco!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, nossos impostos estão indo pro lugar errado...
      Mas vale a pena conhecer sim, nosso Brasil é muito lindo!

      Beijos, Ana!

      Excluir
  7. Gente do céu, que aventura! Adrenalina pura hein? Mas é muito bacana conhecer ps rincões do Brasil, não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aventura pra doar e vender, haha!
      A vida é boa por essas coisas. Um beijo!

      Excluir
  8. Nossa, que bacana, isso é desbravar o país de verdade!! O Trollerzinho mostrou a que veio aí, hein?? Parabéns pelo post (coragem)!! rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Francisco, o nosso Bebê (troller) nunca decepciona. é bruto e encara tudo!
      Obrigada pelo carinho na mensagem.
      Abraços!

      Excluir
  9. Que aventura incrível e que oportunidade de pegar essa estrada com um comboio!
    Adorei o relato e a experiência, adoro essas coisas... show de bola!
    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mirella, foi pura sorte! Foi incrível e inesquecível!
      Obrigada pelo carinho.
      Beijos.

      Excluir
  10. Que coragem!!! E obrigada por nos lembrar que tem muito Brasil para conhecer :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabi, adorei sua mensagem! Coraçõeszinhos pra vc, viu!
      Um beijo!

      Excluir
  11. Ahhhhh que saudade das araras!!!! Post super show e completo!!! Isso que é aventura hein hahaha adoro!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Inesquecível Lívia!
      As araras foram o momento mais lindo dessa aventura!
      Beijos.

      Excluir
  12. Ual que aventura hein?!. Ao mesmo tempo que estradas melhores seriam melhor para o desenvolvimento e integracão nacional isso só iria aumentar ainda mais o desmatamento na area. O triste é pensar que o governo federal ja deve ter pago estradas de nivel de primeiro mundo mas so temos buracos. de qualquer maneira para uma viagem off-road é um verdadeiro playground.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você disse tudo, caro Oscar.
      Depois que conhecemos a estrada e vimos como aquela área já está desmatada, sou contra a reconstrução da rodovia. Existem muitas aldeias, animais, aves e muita vida que será desmatada com o asfaltamento. A natureza agradece e existem outros meios de locomoção.
      Abraços.

      Excluir
  13. Parabéns pela iniciativa em mostrar lugares do Brasil ainda tão pouco conhecidos e, infelizmente, largados em condições tão precárias. Ainda não tive a oportunidade de conhecer esses estados brasileiros, mas fiquei com vontade de fazer de carro, como vcs! Deve ter sido uma viagem incrível, obrigada por compartilhar. Beijo grande.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi realmente uma viagem incrível Pollyane.
      Tem sido uma experiência incrível percorrer o país de carro.
      Ficamos feliz em saber que vc gostou e que deseja fazer o mesmo.
      Um beijo.

      Excluir
    2. Realmente uma aventura! Eu não sei se teria coragem,mas certamente foi engrandecedor.

      Excluir
  14. Nossa! Que aventura grande essa. Muita adrenalina dentro do Troller hein! É muito bacana vocês dividirem a situação atual de uma estrada tão importante. Que os governantes possam olhar com mais carinho para estes lugares e facilitar a vida é comércio daqueles que vivem
    Na região. As estradas são artérias importantíssimas nessa região do país.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Daniela, aventura não faltou nessa viagem.
      Eu concordo pelas pessoas que ali vivem, mas infelizmente se a rodovia for refeita, o desmatamento que já existe, será ainda maior.
      Precisa de mais fiscalização para evitar isso, ai sim, será perfeito.
      Abraços.

      Excluir
  15. Parece ser cansativo e demorado mas que experiencia incrível ! Me deu vontade de dirigir nessa estrada junto com meus dois bebes e conhecer essa parte reclusa do Brasil. Acreditamos, realmente, que nada deve ser uma fronteira ( barreira) para conhecer novos lugares e novas pessoas, nem mesmo uma estrada com esta. A Amazonia é um sonho e estaremos por la em junho. Ainda acredito que não dirigiremos mas voltaremos so por viver essa experiência :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que vcs irão conhecer aquela região, Manaus é uma bela capital e se tiverem tempo e disposição, façam o passeio para conhecer os botos, é maravilhoso e seus bebês irão adorar.
      Abraços.

      Excluir
  16. Pelas fotos encarar essa estrada deve ter sido uma grande aventura rsrs Achei muito legal esse passeio do boto cor de rosa nas águas do Rio Negro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muita aventura, Leonardo.
      Irei fazer um post com mais detalhes sobre o passeio com os botos.
      Abraços.

      Excluir
  17. Que aventura incrível! Não é possível nem imaginar como foi difícil encarar este percurso. Espero que um dia esta estrada esteja em melhores condições para que todos possam percorrê-la.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcos!
      Desejo o mesmo, pq o visual é incrível, com muitos rios, muita floresta.
      Espero também que exista fiscalização para que não haja mais desmatamento na nossa querida Floresta Amazônica.
      Abraços.

      Excluir
  18. Pura adrenalina nessas estradas hein !? carros de passeios nem pensar.
    Temos muita vontade de conhecer a Amazônia, deve ser sensacional e o boto uma lindeza.
    Parabéns pelo Post!Bjss

    ResponderExcluir
  19. Que aventura única!!! Adoramos as fotos nas prefeituras... rsrs... triste realidade das estradas de nosso país... mas com certeza foi uma experiência incrível pra vocês... belo post! :*

    ResponderExcluir
  20. Que passeio incrivel. Altas aventuras por este Brasil a fora. Quero passar a mão no boto!

    ResponderExcluir
  21. eeeee mundão de meu Deus, aventura sem igual! adorei.

    ResponderExcluir
  22. Quanto perrengue nessa estrada! Mas ainda bem que vivenciaram muitas experiências bacanas como ver os botos, as araras soltas na natureza, os amigos que as viagens nos dão. Bom pra termos uma ideia de como é essa parte do nosso país. Muito legal esse post. Parabéns!

    ResponderExcluir
  23. Parabéns pelo seu texto, muito bem explicado. Sentimos dó somente da obra sem permissão e que causou danos. Sua aventura deve ter sido o máximo. Valeu por compartilhar esta experiência.

    ResponderExcluir
  24. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  25. Já fiz uma viagem pela BR-230 a Transamazônica e conforme fui lendo seu post fui relembrando das minhas experiências que tive por lá! Adorei o post!

    ResponderExcluir
  26. Adoramos conhecer a Amazônia! Não vemos a hora de voltar! Muita aventura, né? rs
    Fomos por Manaus e Roraima. Quando fomos a Roraima, fizemos o Monte Roraima. Super indicamos para vocês que também gostam de aventura. É uma experiência única.

    ResponderExcluir