expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>
text-shadow:

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Perdidos e atolados nos Lençóis Maranhenses

Os Lençóis Maranhenses são uma das paisagens mais excêntricas que alguém pode conhecer, com extensas formações de dunas e lagoas de água doce após as chuvas.



Ficamos hospedados em Barreirinhas é a principal porta de entrada dos Lençóis Maranhenses. É de lá que você pode contratar os passeios e é onde se concentra quase 100% das atrações. A cidade é pequena e tem uma estrutura razoável de hotéis, restaurantes, bancos, farmácias e mercados. Os passeios podem ser contratados durante o planejamento da viagem ou quando chegar lá. Em alta temporada, que é quando as lagoas estão cheias, que é no período de maio a julho, sugiro contratar os passeios com antecedência. 

E claro, não podia falar, a foto na Prefeitura Municipal de Barreirinhas! Essa foi moleza!


O Dyxklay já havia estado na região e optou em não contratar passeio em agências no primeiro dia. A nossa intenção era seguir pelos pequenos lençóis até a Praia de Caburé e lá contratar um barco para Mandacaru. No GPS tinha a trilha até o local planejado e assim seguimos.

Tudo foi bem tranqüilo no começo. A estrada que liga Barreirinhas a Paulino Neves estava em construção e encontramos muitos caminhões pelo caminho, até chegar a trilha. local. Entramos pela mata,ora bem larga, ora quase fechada e as trilha apesar de um pouco confusa, estava marcada no GPS então consideramos que estávamos no caminho certo até chegarmos nas dunas. 

Detalhe: é necessário diminuir a calibragem de cada um dos pneus para andar em veículos em areias e dunas,

Subir e descer dunas é moleza #sóquenão apenas os guias tem essa facilidade em fazer isso, para nós era necessário descer do carro e olhar como eram as condições de seguir em frente. O sol escaldante do Maranhão só aumentava a vontade de nos jogarmos numa daquelas lagoas de águas cristalinas, mas nosso destino era Caburé e não queríamos perder tempo. 

Por muitas vezes saímos da trilha segundo o que marcava o GPS, aquele lugar é um verdadeiro labirinto. Passamos por algumas lagoas e eu descia e entrava para ver a profundidade. Resultado: desistimos e resolvemos voltar para a estrada e buscar um guia.



Foi nesse momento que ficamos perdidos. Demos voltas no meio da vegetação, a trilha estava muito confusa e percebemos que estávamos voltando sempre ao mesmo lugar. Naquele momento, o ideal era manter a calma e observar tudo o que o GPS dizia e tentar parar de andar em círculos. Finalmente, depois de quase uma hora, conseguimos achar a estrada!



Paramos em uma "bodega" (bar ou mercearia, comum no interior do nordeste), compramos água, uns biscoitos e conversamos com os nativos que nos indicaram o caminho certo. Mas não foi o suficiente até encontrarmos uma casa e vimos um quadriciclo e pedimos informações, o cara era um guia e nos levou até a praia, não era necessário nos acompanhar pois Caburé estaria um pouco mais a frente. 

Ufa! Chega de aventura por aquele dia.

Em Caburé, pegamos uma voadora (uma espécie de barco) e fomos até o distrito de Mandacaru. Subimos os 160 degraus do Farol Preguiças para apreciar a beleza daquele lugar. A visão privilegiada lá de cima, a praia de Caburé, o Rio Preguiça e a simpática vila de Mandacaru. Mar, rio, lagoas, dunas, artesanato em buriti e uma beleza surreal.













Voltamos para a praia na mesma voadora e seguimos de volta para Barreirinhas.

A trilha segundo outro guia, era a mesma: seguir pela praia e não pelas dunas "toda vida" até Paulino Neves, calibrar os pneus do carro para andar em velocidade no chão e pegar a estrada de terra batida em construção de volta para Barreirinhas. Fácil né? Só que não! 

Seguir pela praia foi tranqüilo, tinham marcas de pneus para todos os lados e em um determinado momentos tudo sumiu e caímos num areião.O Troller quicava no meio daquilo, o Dyxklay fez curso de offroad e conseguimos sair. Já andamos muito em areia de praia, mas nada comparado aquilo.

Seguimos buscando a tal trilha e caímos em outro areião e não teve jeito: ficamos atolados!

Ficamos ali uns 30 minutos, ele cavando com a pá para tirar aquela areia, mas não dava certo. Quanto mais eu acelerava, mais atolado o carro ficava. No meio do nada, a maré estava baixa e mal dava para ver o mar, estava escurecendo e já tínhamos chegado a conclusão de que ficaríamos a noite ali.

Por sorte, vi uma Toyota Bandeirantes passando cerca de 2km de distância da gente e começamos a gritar e acenar, Foi quando percebi que ali por onde eles passavam era a tal trilha correta e corri até lá, pois se eles não nos vissem em algum momento outro veículo iria passar novamente ali. Mas por sorte eles nos viram! Eram 8 homens que estavam trabalhando nas obras da estrada e parecia cena de filme: pás, madeiras e muita boa vontade para nos ajudar.

O sol estava se despedindo e com muito trabalho, depois de uns 30 minutos conseguirem tirar uma parte daquela areia, colocaram umas tábuas, deram as instruções e o Dyxklay conseguiu sair com o carro daquele areião terrível!








Eles nos relataram que andam sempre observando, pois tem muitos jipeiros que assim como nós, dispensam os guias e optam em fazer o percurso sozinhos, ficando atolados e que aquela areia é muito traiçoeira. Sentimos na pele isso!

Foram nossos anjos da guarda! Dizem que os aventureiros e viajantes tem uma comissão especial no céu. Nos guiaram até a estrada para evitar mais surpresas. Eterna gratidão!

E não terminou aí: eles nos guiaram até a estrada, desistimos de calibrar os pneus e seguimos devagarzinho, rindo muito daquele dia de tantas aventuras. Os riscos haviam acabado. Chegamos ao hotel sãs e salvos e com mais uma história em nosso currículo para contar!

Chegamos a conclusão de que não valeria a pena correr o risco, tanto para nós, quanto para o carro, estávamos muito longe de casa e tínhamos muitos dias de férias para usufruir ainda e nos dia seguinte, deixamos o Bebê no hotel e contratamos os passeios numa das tantas agências de viagem da cidade.

Makenna Figueiredo.

30 comentários:

  1. Geeenty, quero mto conhecer Lencois! Mas tem uma época do ano especifica a formação dos "lagos", ne? Preciso conciliar as férias.
    Poxa, boa dica sobre o carro e guia hein. Deus me livre ficar perdida no meio do nada, onde tudo é parecido! E ainda atolar? hahaha que aventura, jesuis amado!
    Tem que manter a calma total... Sou sempre a favor de contratar um local, prefiro do que ficar correndo risco e me aventurando demais por ai rs
    Pelo menos voltaram com historias inesquecíveis kkkkk
    Beijao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Julia, a melhor época é de maio a julho, que é quando chove naquela região. Obrigada por perguntar, vou editar essa dica.
      Somos bem calmos e foi uma aventura emocionante!
      Beijos.

      Excluir
  2. Quando vi que o carro ficou preso na areia, eu pensei: " Ixi, o mar vai subir e o que vai acontecer com eles ?". Que bom que esse carro viu vocês !
    Quando viajamos e que queremos nos aventurar na natureza, contratamos sempre um guia pois eles conhecem mais que ninguém o ambiente onde trabalham e morram. Lembro que no Marrocos, em pleno deserto do Sahara, dentro do Jeep que me levava com meu bebe de 6 meses no acampamento, perguntei para o motorista "mas como voce consegue te orientar ? "e ele me respondeu " eu conta as dunas e e noite, olho as estrelas " Fiquei impressionada so.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alice, também costumamos contratar um guia, mas valeu a experiência. Ninguém conhece a região como eles. Adorei como o guia do Marrocos descreveu, parece poesia!
      Abraços!

      Excluir
  3. Há,com uma aventura desse sempre fica mais emocionante né? É uma viagem barata? Sou doida pra conhecer mas ainda não parei para pesquisar preços...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luisa, não tenho essa informação. Fomos em nosso Troller, foram muitos destinos e muitos dias de viagem até Barreirinhas. Não temos ideia de quanto custa uma passagem aérea para São Luis, nem transfer para Barreirinhas. Vou ficar te devendo essa! Desculpa!

      Excluir
  4. Este é um lugar do Brasil que tenho vontade conhecer, sempre estou vendo matérias em revistas e blogs relacionados e o relato de vocês irá ajudar muito no planejamento. Obrigado por compartilhar suas dicas, serão de grande ajuda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcos, obrigado pela vista!
      Coloque os Lençóis em seu roteiro de viagens, vc irá se encantar!
      Abraços.

      Excluir
  5. Gente, que aventura! Ainda bem que deu tudo certo. É como você disse: tem que ter calma nessa hora. Nesse tipo de viagem o melhor é contratar passeios por agências de viagem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, por mais legal que tenha sido, prevenir é o melhor remédio.
      Um abraço!

      Excluir
  6. Nossa que aventura e perrengue vocês passaram. Ufa, que bom que deu tudo certo no final, nada como um guia para orientar.
    Lençóis é demais, sou apaixonada e estarei indo pela terceira vez nas próximas férias. É um dos meus destinos preferidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aiii, que inveja branca Luciana!
      Queremos voltar e ficar atolados novamente, kkkk.
      Brincadeirinha!
      Boa viagem!!!

      Excluir
  7. Gente que perrengue foi esse?? Muita emoção heim hahaha. A vantagem é que são esses imprevistos que tornam tudo ainda mais legal, com histórias para contar. Adoramos as dicas e com certeza, contratarei um guia quando for. Fico bem apavorada nesses momentos kkkk. Lindo post, obrigada por compartilhar.

    ResponderExcluir
  8. Meu Deus! Quanta aventura em uma viagem só!!! Mas assim também é bom, mais histórias para contar! Adorei o post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Dani! Temos bons perrengues para recordar!
      Abraços!

      Excluir
  9. Ficar atolada neste local nem é uma má ideia. São em meio a imprevistos que temos as nossas melhores experiências. Lençóis Maranhenses sempre encantando a todos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São as melhores histórias, rendem boas risadas dos amigos e nossas também!
      Abraços.

      Excluir
  10. Nossa que perrengue hein.... ufa ainda bem que deu tudo certo. Queremos muito conhecer Lençois, está na nossa lista de desejos. Obrigada por compartilhar suas experiências. Dicas valiosas, parabéns pelo post bjss

    ResponderExcluir
  11. Quando eu li o título do post já pensei "ótimo lugar para se perder", porque vejo as fotos e é lindo demais.
    Mas atolados nãaaaaaaaaaaao.... que coisa!
    Realmente melhor contratar um passeio. Muito bom o relato!
    E lindas as fotos.

    Beijokas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carol, mas não deu medo não.
      Imagina, contemplar as estrelas, num lugar deserto, ao lado do amor da sua vida?
      Abraços!

      Excluir
  12. Que aventuraaaaa, daquelas de tirar o folego, eu ja ia ficar em choque soh de ter o carro atolado no meio do nada. Mas que bom que deu tudo certo e conseguiram aproveitar bastante. E que lugar lindo, as fotos do Farol ficaram ótimas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anderson, foi tão legal ficar atolado, kkkk.
      Pura adrenalina!
      Abraços!

      Excluir
  13. Muito tenso quando essas coisas acontecem, né? Quando fui aos lençóis não cheguei a passar por esse sufoco não, rs.
    Foi ótimo ler seu post para relembrar minha viagem e para dar mais vontade de voltar!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os Lençóis é um destino para se voltar muitas vezes.
      Abraços!

      Excluir
  14. A vista e as paisagens são sensacionais!
    E que dureza ficar atolado né?! Nós ficamos apenas uma vez em
    Visconde de Maua, numa noite de chuva torrencial, num desfiladeiro e depois de 1 garrafa de vinho... haha
    Esses perrengues servem de história depois, né?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que história legal a de vocês!
      São as melhores histórias, Dani!
      Abraços!

      Excluir
  15. Comecei adorando o título.. quem nunca quis atolar em um lugar lindo como os lençóis? rsrs
    Mais uma prefeitura para a coleção de vocês, quantas são ao todo?
    Adorei a vista do farol de mandacaru!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei seu comentário, Léo!
      Já visitamos 374 prefeituras. Ufa! Nem acredito que já foi tudo isso.
      Abraços!

      Excluir