expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>
text-shadow:

terça-feira, 23 de agosto de 2016

City tour em São Luís

Conhecida como ‘Ilha do Amor’, ‘Cidade dos Azulejos’, ‘Capital Brasileira do Reggae’ e até a ‘Jamaíca Brasileira’, São Luís reúne muita história e muita cultura.



Habitada por holandeses, portugueses e franceses (que turma hein?), a maior parte dos azulejos de São Luís vieram de Portugal que se destacou na produção de cerâmica no século XVIII, e o Brasil foi um dos países que recebeu boa parte da produção.

Estávamos hospedados num hotel no Centro Histórico e contratamos um guia para fazermos um city tour pela cidade. Começamos pela Avenida Litorânea onde e admiramos o mar, que não é convidativo para banho. (Depois de conhecer Arraial do Cabo, fica complicado gostar de outra praia). A água é escura, sem graça, Deve haver praias melhores longe dos centros urbanos. Segundo nosso guia, a cor dá água aparentemente suja é por causa dos mangues e da variação da maré. 


                                                          Monumento aos Pescadores

                                                            Camisetas iguais, é claro!



Variação da maré, conforme mencionado acima. Fotos feitas pela manhã antes de sairmos para o passeio.





Voltamos para o Centro Histórico e começamos o passeio pelo Palácio dos Leões, que é sede do Governo Estadual do Maranhão, sobre a base do antigo Forte Francês e em frente a Baía de São Marcos. Sua fachada em estilo neoclássico tem como símbolo os dois leões com brasões que dão nome ao prédio



Palácio dos Leões, mais uma capital concluída com sucesso!

A entrada é gratuita e não é permitido fotografar os salões de visitação, apenas o hall de entrada. No entanto, o passeio vale a pena. O ambiente é bem refrigerado (uhullll) e o guia explica tanto sobre a utilidade dos espaços quanto sobre a história das peças da decoração em cada salão. 



A arquitetura da Igreja da Sé é belíssima, com uma imponente fachada. Reúne afrescos no teto, pinturas e trabalhos em arte sacra e o altar é folheado a ouro. Foi construída pelos jesuítas em 1690 e é considerada patrimônio da humanidade pela Unesco. 









Em 1996 o Centro Histórico de São Luís tornou-se Patrimônio Histórico pela Unesco e é um verdadeiro museu a céu aberto. São quase mil móveis tombados pelo Iphan. Para os amantes de história e cultura vale a ida e o passeio pelas ruelas com paralelepípedos. Os casarões tombados nos remetem à época de suas construções do período colonial e imperial e os azulejos estão por toda a parte. O Projeto Reviver foi criado na década de 80 para cuidar da restauração do patrimônio arquitetônico e revitalização, mas a nossa impressão é que o Reviver foi abandonado. Muitas fachadas estão precisando de restauração para preservação desse rico acervo. Deveria ser a parte mais bonita da cidade, se não fosse o descaso. Alguns prédios tinham faixa de restauração e segundo nosso guia, esse ano foi eleito ou escolhido um prefeito para cuidar apenas do Centro Histórico.

















Era mês de junho e estava todo enfeitado com bandeiras coloridas que retrata a alegria do povo nordestino e o amor pela nossa cultura. Vale também uma visita as muitas lojinhas de artesanato e adquirir alguns souvenirs. Ir ao Mercado Municipal faz parte do roteiro que tem uma diversidade de sabores que vai do famoso refrigerante Guaraná Jesus a tradicional Cachaça Tiquira. 


                              Muito bom passear em dias de semana. Ruas tranquilas e vazias.







Como disse o nosso guia, no Maranhão tem quatro estações bem definidas: calor, verão, quentura e mormaço! Gente, que calor! água para hidratar, protetor solar, óculos escuros e chapéu (que esqueci no hotel) são indispensáveis.

Não saímos a noite para assistir as apresentações das festas juninas (que eu adoro!), conhecer o Bumba-meu-boi, o Tambor de Crioula, ficou para uma próxima oportunidade. São Luís é uma capital bastante agradável e vale a pena uma outra visita apesar de ser muuuuito quente. Fizemos algumas fotos quando estávamos chegando na cidade vindo de Alcântara, no final do dia anterior.




                                                                  Baía de São Marcos 


O guia me perguntou se eu conhecia o Zeca Baleiro e eu disse que sim e que inclusive ele faz parte da trilha sonora das nossas viagens e nos levou para conhecer o seu pai, seu Tonico, um senhor muito simpático que tem um ambulatório no Centro Histórico e fez propaganda da sua famosa catuaba e nos mostrou orgulhoso fotos de jornais e revistas do qual ele já foi destaque. Mais uma matéria com seu nome seu Tonico, hahaha! 






Foi pouco tempo, faltou conhecer tantas coisas que estavam em minha listinha... Mas o nosso objetivo principal em São Luís é aquele de visitar as 27 capitais, fazer as tais fotos no Palácio do Governo Estadual e na Prefeitura Municipal e dar um giro na cidade. Foi ticado! 

Malas no carro, Troller na estrada e seguimos para os Lençóis Maranhenses!!!!

Perdidos e atolados nos Lençóis Maranhenses

Sobrevoando os Lençóis Maranhenses

Pôr do sol nos Lençóis Maranhenses

Atins: o outro lado dos Lençóis Maranhenses


Makenna Figueiredo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário