expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>
text-shadow:

segunda-feira, 23 de abril de 2018

Dicas imperdíveis para você conhecer Inhotim

Como descrever Inhotim? Que é o maior museu a céu aberto da América Latina? Todos sabem. (Pelo menos os que dele já ouviram falar). 



Descrever o que tem nesse museu seria uma temeridade, pois ele é MUITO diferente da concepção que as pessoas tem sobre atrações desse tipo. O que posso sugerir é que ninguém deve dizer que conhece o turismo brasileiro, se nunca foi a Inhotim. 


Um tesouro perdido encravado no meio das serras das Minas Gerais. Todos elogios feitos são merecidos. Centrado em arte contemporânea, algumas peças são impactantes, outras incompreensíveis, mas todas se encaixam perfeitamente no conceito do Instituto, um lugar para ser sentido e não só contemplar. São 23 galerias com obras do acervo permanente de Inhotim, obras de exposições temporárias ou somente exposições temporárias na galeria inteira. 


A melhor maneira de você conhecer Inhotim é caminhando. Se você pretende conhecer todo o espaço, vai precisar de dois dias inteiros. Mas se você não disponibiliza de tanto tempo assim (que foi o nosso caso), priorize o que quer conhecer. Uma das alternativas é contratar o transporte interno, (R$ 30 por pessoa). São aqueles carrinhos de Golf, guiados por motoristas do parque e com paradas definidas que facilitam muitoooo a visita.

A dinâmica do parque é bem interessante e para facilitar a vida dos visitantes eles dividiram em três rotas: amarela, rosa e laranja. 

Faça um download do mapa  do Instituto:  http://inhotim.org.br/

Uma das coisas que achei mais interessante é que o visitante fica livre para conhecer o espaço a sua maneira e para facilitar essa locomoção, pegue um mapa na entrada do museu, verifique se tem alguma obra que você deseja conhecer por perto, pois as distâncias são muito longas para você voltar depois e comece o seu passeio. As galerias são enumeradas e as obras de arte são divididas pelos nomes dos artistas. 

Não conheço uma pessoa sequer foi foi a Inhotim e não falou bem sobre o lugar. Agora, chega de blábláblá e vamos as dicas!

Rota amarela

01- Galeria Cildo Meirelles (G5) 

"Desvio para o vermelho" - Uma casa impactante, com todos os objetos e cômodos revestidos de vermelho.

"Desvio para o vermelho"

“Através” - Cacos de vidro, grades, cortinas e outros materiais do cotidiano formam um labirinto e fazem refletir sobre as barreiras do dia a dia e a maneira como as pessoas se relacionam com elas.

“Através” 

"Inmensa"Cadeiras e mesas equilibradas umas às outras formam a instalação Inmensa, de Cildo Meireles, feita de aço.

"Inmensa"

02- Galeria John Ahearn & Rigoberto Torres (A7) - "Abre a porta" e "Rodoviária de Brumadinho" - São lindas histórias que contam a história dos moradores de Brumadinho em dois lindos painéis. 

"Rodoviária"

"Abre a porta" 

03- Largo das Orquídeas (J7),- Orquídeas de várias espécies suspensas. Tem um lindo lago em frente e belos jardins em volta. 

Largo das Orquídeas

04- Obra Zhang Huan (A11) -  Uma espécie de obelisco com cabeça de homem e corpo de tartaruga (animal que na cultura asiática representa longevidade), com escritas em chinês. Próximos dessa obra ficam o Bar do Ganso e o Restaurante Tamboril, que são algumas das opções de alimentação. A obra não tem nome.

Obra Zhang Huan

05- Galeria True Rouge /Tunga (G2) -  Uma galeria bem clean, toda branca, envidraçada, onde o artista usou diversos tipos de materiais (redes, tinta vermelha, madeira, esponjas, bolas, etc.), todos suspensos, sem encostar no chão. De cara foi uma das minhas obras favoritas, mexem com a nossa imaginação.

True Rouge

06- Galpão (G3) 

Obra Troca-troca - São as obras mais famosas do parque, composta por 3 fuscas coloridos que tiveram suas latarias trocadas entre si. 

Troca-troca

Forty party motet - Uma composição com diversas vozes, a partir de um texto sacro e sem acompanhamento instrumental. São 40 auto-falantes de modo oval em uma sala.  Uma experiência sonora das mais interessantes. 

Forty party motet

07 - Galeria Lago - David Lamellas -  Um  hermano argentino nos convida a "subir no palco" que não existe. Ele instalou um holofote em uma sala totalmente escura. Impossível De fato ignorar a vontade de ficar debaixo da luz. 

David Lamellas

Rota Rosa

01- Invenção da cor (A12) - Uma das obras famosinhas do parque, rende lindas fotos e você pode caminhar por dentro dela.

Invenção da cor

02-  Narcissus Garden (Yayoi Kunama) (A4) - Um jardim flutuante com bolas de metal. 

Narcissus Garden



Doug Aitken

Doug Aitken

04- Galeria Doris Salcedo (G8) - Arquitetura contemporânea, que para nós, leigos no assunto, são grades, ora fixadas nas paredes, ora desenhadas. Não sabemos ao certo. 

Neither, Doris Salcedo

05- Galeria Claudia Andujar (G23) - Robusta e simétrica, constituída em suma por paredes de tijolos a mostra. A mostra traz as imagens capturadas pela fotógrafa entre os anos de 1970 e 2010 da comunidade indígena Yanomani, na Amazônia. Na minha opinião pessoal há muito desse cotidiano desconhecido e sensibilidade. 

Claudia Andujar

                                                                                                                                                                              Claudia Andujar

                                                                                                                                                                              Claudia Andujar

06- Matthew Barney (G12) - Nós simplesmente esquecemos dessa atração, sei lá, foram tantas as escolhidas que essa passou despercebido. Trata-se de um trator todo sujo de lama e uma árvore branca, em uma galeria espelhada que faz com que as pessoas que estão ali se multipliquem. 

Matthew Barney

Rota Laranja

Nessa última rota, as distâncias são maiores e fizemos o uso dos carrinhos para quase todas as atrações. Foi o eixo que menos conhecemos, por ser muito extenso e porque já estávamos bem cansados. 

01- Jorge Macchi (A15) - Piscina em formato de agenda telefônica onde é possível mergulhar. Com o calor que estava fazendo, seria uma boa pedida, mas estava um pouco suja. 

 Jorge Macchi 


02- Jardim de todos os sentidos (J1), Jardim Desértico (J2), Jardim da Transição (J3) , Vandário (J4),  Jardim Veredas (J5)  - Uma atração com várias atrações em si, com plantas medicinais, aromáticas e tóxicas, proporcionando ao visitante experiências que estimulam vários sentidos da percepção humana.

Jardim de todos os sentidos

Jardim Desértico

Jardim Veredas

03- Galeria Adriana Varejão (G7) -  Essa galeria nós também não conhecemos, porque não deu tempo mesmo! E era uma das indicações do nosso amigo. e inclusive as fotos são dele. A Adriana é ex-mulher do dono de Inhotim, então, as primeiras obras que existiram no parque foram dela. Não temos nada a dizer sobre o trabalho que não conhecemos pessoalmente, mas as fotos encantam e deixou com aquele gostinho de voltar.

  Adriana Varejão

 Adriana Varejão

Isto tudo e muito mais está localizado num parque totalmente arborizado e com paisagismo de tirar o fôlego. A história do local também surpreende e desde a recepção já se fica sabendo da origem do projeto feito por Bernardo Paz, que colocou o Brasil num roteiro obrigatório para quem ama arte no mundo, além de ter colocado Minas Gerais em outro patamar artístico, ligando as artes coloniais com as artes contemporâneas. Apesar das últimas notícias sobre Bernardo, o Instituto não parece ter sido abalado e esperamos que continue assim. 

O Brasil que impressiona, nos enche de orgulho, se mostra único, tudo o que for dito é pouco, arte, arquitetura, botânica e meio ambiente em um lugar mágico, maravilhoso, para ir uma, duas, dezenas de vezes. Galpões de arte feitos especialmente para o local com artistas de expressão internacional, representando a arte contemporânea. 

Um lugar místico que une a natureza e a arte sofisticada que traz uma inteiração que chega a te tirar a percepção do que externo, sensorial ou sentimento... 


Onde se hospedar?

Optamos ficar hospedados num dos muitos distritos que cercam Brumadinho, em Palhano. Descobrimos um hotel maravilhoso, com natureza ao redor, cozinha e recepção dignas de cidade grande. A Mi Manera Bistrô e Hospedaria. Arquitetura rústica, quartos silenciosos, roupa de cama e banho de excelente qualidade, café da manhã mineiro e um bistrô com culinária internacional. Tudo isso a preço justo e com a gentil recepção da Yvine e do Kelvin. Localizada a 31km de Brumadinho, é necessário estar de veículo para se locomover até Inhotim. A estrada é linda e sinuosa, mas vale a pena cada curva!

 


Existem outras opções para quem não quer pegar estrada e prefere se hospedar em Brumadinho. Também tem aqueles que preferem ficar em Belo Horizonte. Vai do gosto do fregês, uai. Para fazer sua reserva, acessa o Booking, nosso parceiro! 

Dicas extras:

Use calçados e roupas confortáveis, leve uma garrafinha de água, no pqrque há vários pontos de abastecimento. Quando fomos (março/2018), logo após a recepção, tinham repelente gratuiro para uso dos visitantes.  Também há pontos de carregamento de celular, o wifi é aberto e funciona em quase todo o parque.

Ingresso:


Terça, quinta, sexta, sábado, domingo e feriado: R$ 44,00 (inteira)
Quarta-feira (exceto feriado): entrada gratuita* (excelente opção para quem deseja alugar os carrinhos)
OBS: Fechado às segundas-feiras.


Transporte interno: R$ 30,00 por pessoa

Horário de funcionamento:

Parque:

Terça a sexta-feira: 9h30 às 16h30 *
Sábado, domingo e feriado: 9h30 às 17h30


Loja Botânica e Design (não dá para sair sem uma lembrancinha, né?)

Terça a sexta-feira: 9h30 às 16h30
Sábado, domingo e feriado: 9h30 às 17h30


Restaurantes: Tamboril, Oiticica e Lanchonete True Rouge

Terça a sexta-feira: 12h às 16h
Sábado, domingo e feriado: 12h às 17h


Para saber quais obras que estão em exposição, eventos e demais informações, acesse o site do Instituto Inhotim.



Makenna Figueiredo

13 comentários:

  1. Post megaaaaaa completo e muito bem detalhado, parabéns! Só aumentou ainda mais o meu desejo de conhecer Inhotim. Fiquei apaixonada por tudo, mas o Jardim de Todos os Sentidos, me ganhou! Fantástico! As fotos estão lindas. Post favoritado.

    ResponderExcluir
  2. Como eu moro em BH, já fui algumas vezes a Inhotim. Nunca me canso, já estou com vontade de ir de novo - mesmo porque sempre tem alguma novidade.

    ResponderExcluir
  3. inhotim é um mundo!!! fui duas vezes e não consegui conhecer direito! em um dia realmente não tem como! amei o post todo detalhado e quero passar uns 3 dias lá dentro! hahaha

    ResponderExcluir
  4. Wow! Realmente é um lugar magnífico e me envergonho de ser mineira e naoconhecer inhotim. Fiquei mal de não conhecer o turismo brasileiro! Kkkk preciso urgente!! Obrigada pelas dicas

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito do post! Vou pra BH em setembro e quero incluir Inhotim no roteiro. Vale à pena fazer bate-volta de BH ou se hospedar por lá? Acho que vou ter só um dia também pra conhecer. Seu post vai servir de roteiro pra mim! Adorei. Ah, mais uma coisa: é a gente mesmo que dirige o carrinho de golf alugado?

    ResponderExcluir
  6. Se é difícil dizer o que fazer em Inhotim, tentar compreender o que tudo isso representa e imaginar como deve ser também não é tarefa fácil! rs Olhando todas essas informações e fotos fiquei com mais vontade ainda de conhecer.

    ResponderExcluir
  7. Completíssimo este post sobre Inhotim. Adorei as descrições de cada rota, de cada obra. Percebi que preciso voltar ao museu, que por sinal, é um passeio magnífico. Adoro lá!

    ResponderExcluir
  8. Tenho muita vontade de conhecer Inhotim, pena que ainda não tive oportunidade! O post está muito completo e as fotos estão lindas! Parabéns! Um dia é suficiente para conhecer o parque?

    ResponderExcluir
  9. Amo muito esse lugar, já visitei duas vezes e não consegui conhecer tudo que queria, é gigante mesmoooo kkkkkk. Ou seja, rumo a terceira. dicas super úteis no post aqui, parabéns e abraços

    ResponderExcluir
  10. Tem muito lugar que eu preciso conhecer em Minas, e Inhotim é um deles! Estou programando viagem e amei as dicas que vi aqui, obrigada!

    ResponderExcluir
  11. Esse post é daquele que nos faz pensar o quanto ainda temos para conhecer e explorar nesse Brasilzão, lugar lindo e com tanta coisa para fazer.

    ResponderExcluir
  12. Sabe aquela saudade do lugar que a gente não foi? Eu sinto isso quando vejo qualquer coisa sobre Inhotim. Eu tenho tanta vontade de ir, mas ainda não encontrei uma oportunidade! Minas não para de surpreender! Adorei a dica da pousada, pois eu já havia dado uma olhada e não tinha achado nada!

    ResponderExcluir
  13. Que lugar lindo! Post riquíssimo de informações, parabéns pelo belo trabalho! Alias, se esse carro de vcs fosse uma van, estaria cheio de pretendentes! Kkk! Abs e otimas viagens a vcs!

    ResponderExcluir