expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>
text-shadow:

domingo, 19 de agosto de 2018

Guia sobre a Ilha de Páscoa

Bela, misteriosa e isolada no meio do Oceano Pacífico, a Ilha de Páscoa, a Cidade dos Moais,  é naturalmente um museu a céu aberto. 

Ahu Tongariki

No post anterior que eu relatei sobre Nossa experiência na Ilha de Páscoa, recebi algumas perguntas sobre a ilha e mais uma vez estou aqui para trazer um guia sobre a misteriosa Hanga Roa.

A ilha foi "descoberta" num domingo de Páscoa no ano de 1722 e essa é a razão do seu nome (que considero bastante simpático). É a última fronteira da América do Sul, distante a 3.000 km do litoral do Chile, país a qual pertence. A ilha é considerada o território habitado mais isolado do mundo. Possui forma triangular e cerca de 170 kms quadrados, com 16 km de largura e 23km de comprimento. 

A primeira coisa que você deve fazer quando chegar na Ilha de Páscoa é comprar o bilhete turístico  que é orbigatório para vistar algumas atrações do Parque Nacional Rapa Nui (convertendo em reais, custou de R$ 352, por pessoa). Podem ser adquiridos no Aeroporto Mataveri (aceita cartão de crédito) e em algumas agências espalhadas pela Ilha  Os tikets valem por 10 dias e a cada lugar visitado, você receberá um carimbo. Em Orongo e no Vulcão Rano Kau, só podem ser visitados apenas uma vez. Os demais sitíos arqueológicos da Ilha podem ser visitados várias vezes.

A mais recente mudança da Ilha foi uma nova lei determinando que turistas podem passar apenas 30 dias em Rapa Nui. O objetivo é proteger o patrimônio cultural e ecológico do local.

Quem pretende conhecer este destino deverá apresentar, além de RG ou passaporte, o Formulário Único de Ingresso a Rapa Nui (FUI), documento preenchido nos aeroportos ou portos antes do embarque.

Hanga Hoa

A única cidade da ilha é Hanga Roa, onde estão situados quase todos os serviços: hotéis, restaurantes, agências de viagem, locadoras de veículos, restaurantes e mercados. Hoje, além da população local, vivem em Hanga Roa muitos chilenos do continente e o espanhol é mais utilizado do que a língua.
A topografia é dominada por vulcões, que se erguem como montanhas ou como colinas suaves, alguns com lagos dentro das crateras. No recortado litoral, o encontro do mar rebelde com as rochas escuras, de origem vulcânica, é cinematográfico.




Como chegar

A viagem de avião dura 5 horas e meia, partindo de Santiago, no Chile e independente de onde saia o seu vôo, fará conexão em Santiago. A única companhia que faz esse trajeto atualmente é a LAN/LATAM. E não se assuste, os vôos são caros mesmo! Tudo na Ilha é caro, prepare o bolso.





Quantos dias ficar

Um questão totalmente opcional. Se você deseja apenas visitar os moais que estão em pé e fazer umas fotos, em dois dias você conhece tudo. Mas se você deseja se conectar com a natureza, admirar os diversos mirantes que existem na Ilha, conhecer todas as atraçoes, sugiro 4 dias. O clima muda bastante, chove bastante e você precisa se prevenir quanto a isso. Nós escolhemos passar 6 dias e conhecemos tudo com calma, voltamos em algunms lugares mais de uma vez.


Quando ir


Mesmo com as chuvas rápidas, o clima é bastante agradável. Fomos em junho deste ano (2018), na transição de outono para inverno e pegamos mínima de 18 graus e máxima de 22 graus. Ventava bastante, fazia calor, fazia frio, tudo no mesmo dia, mas nada insuportável.


O que levar

Calçados confortáveis, roupas leves, agasalho, protetor solar, boné ou chapéu, óculos escuros, roupa de banho são itens indispensáveis. Como o tempo estava bem maluco, usamos casaco corta vento todos os dias, roupa térmica, cachecol, gorro e guarda-chuva. Acredito que no verão não seja necessário nenhum desses últimos itens.


Como fazer os passeios

A melhor alternativa para nós dois foi alugar um carro e seguir os mapas. A Ilha não é tão grande, o risco de você se perder é bem pequeno. Com um maprinha na mão, é super fácil de traçar o roteiro e ir em busca das atrações. Alugamos um Jimmy na locadora de veículos Oceanic, existem outras agências mas essa foi a que teve o melhor valor. Tem carros maiores e mais confortáveis. Também tem a opção de fazer os passeios de bicicleta, quadriciclo e moto. Vai depender de qual tipo de aentureiro você é. O tanque do veículo deve ser devolvido cheio, portanto, lembre-se de acrescenter esse valor nas suas despesas. O único posto de gasolina aceita cartões de crédito.


Também tem a opção de fazer tudo por uma agência de turismo, com um guia explicando tudo. Ou você pode contratar um guia e levá-lo no veículo alugado. No dia em que chegamos na Ilha conhecemos duas brasileiras e uma americana que já estavam indo embora e nos passaram todas as informações sobre as atrações, inclusive com direito a todas as histórias que o guia delas contou. Como já havíamos pesquisado bastante e depois de todas essas dicas, optamos em fazer tudo por conta própria. E durante as visitas sempre tinham guias por perto e os próprios nativos nos contaram a versão deles sobre os mistérios da Ilha.


Onde se hospedar

Existem muitas opções de hospedagem na Ilha e não vou nem mencionar o hotel que ficamos, pois tivemos sérios aborrecimentos por lá. O hotel em si era bem localizado e confortável, a tripulação da LAN fica nele. Porém, o café da manhã não está incluso no pacote, nem o transfer até o aeroporto e o valor cobrado é bemmmm alto apenas para dormir. Essa questão não estava legível no ato da nossa reserva e só ficamos sabendo disso isso ao chegar na Ilha. Nos aborrecemos bastante e tivemos que tomar café da manhã todos os dias em uma cafeteria e como já citei acima, os preços na Ilha são bem altos. Um desayuno simples, para um casal, custava cerca de R$ 100, por dia! Fizemos reclamação em todas os sites nos quais os hotéis está cadastrado e entramos com um processo. Aguardamos resultado. Evitem o Hotel Taha Tai! #ProntoFalei

Onde comer

Os únicos lugares onde servem alimentação é na vila Hanga Hoa e na Praia de Anakena. Para fazer os passeios, compramos água mineral e alguns biscoitos para beliscar durante o dia. A noite, elegíamos um restaurante para jantar. Existem restaurantes deliciosos na Ilha e chefs de vários lugares do mundo morando por lá. Em alguns lugares, os pratos são tão fartos que servem até duas pessoas, o segredo é perguntar antes. E não são baratos! Muito menos as bebidas.

Indicamos o Kanahau e o Kaimana, ambos na avenida principal de Hanga Hoa e o Hakahonu, localizado a beira mar. Os frutos do mar são deliciosos, frescos e os ceviches são os mais saborosos que já comi. A cafeteria da dona Carmem tem cafés e pães deliciosos, chama-se Polynesian e o Café e Restaurante Mama Nui tem um clima bem hippie e um ambiente super agradável.

Atrações turísticas: os misteirosos Moais

Eles estão por todos os lados. São enigmáticos e únicos! São os principais responsáveis pelo turismo na Ilha e deixam todo mundo com uma pulga atrás da ourelha em saber como eles foram esculpidos e movidos numa época em que não existia instrumentos para isso. Eles pesam cerca de 800 toneladas e tem cerca de 3 metros de altura. É aí onde entra todo o mistério que envolve a Ilha que irei contar nos próximos posts.

Ahu Tongariki


Assistir a um show folclórico


A vida noturna não é um ponte forte da Ilha, portanto, sair para jantar e assistir um dos shows folclóricos é uma das maneiras de conhecer a cultura do povo Rapa Nui. Assistimos ao show no Restaurante Kanahau. O show é pitoresco e interessante, dura cerca de duas horas, com bastante interação com o público, que recebe pinturas no corpo e rosto (opcional) antes do espetáculo começar e durante a apresentação, são levados (levados mesmo) ao palco para dançar. O Dyxklay foi levado para mas os vídeos que fiz foram censurados pelo mesmo! Hahaha!

Imagem: Pintrest

Visitar o Museu Rapa Nui

É o ponto de partida de toda a visita, principalmente para aqueles que não pretendem conratar um guia local.. O museu guarda uma importante coleção de peças arqueológicas reunidas durante três décadas pelo padre Sebastián Englert. O acervo é composto por estatuário, plaquetas com misteriosas inscrições e diversas armas de obsidiana, além de um raro moal feminino.  

Um pequeno paraíso perdido no meio do Oceano Pacífico. O tempo passa diferente, as pessoas vivem de maneira difereten. Isso é fácil de sentir e perceber e iremos relatar e trazer mais dicas nos próximos posts. Até breve.


Makenna Figueiredo

20 comentários:

  1. Eu tenho muita vontade de conhecer a Ilha de Páscoa, sabia que as coisas não seriam baratas (afinal, é distante do mundo), mas fiquei um tanto chocada com café da manhã por 100 reais pro casal! Tem nada de opção mais em conta? Como é o preço do jantar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Manuela!Caro mesmo, até tem lugares mais baratos, o problema é a higiene.
      Os jantares são o dobro desse valor, incluindo a bebida. Não tenho números exatos porque ainda estou planilhando as despesas da viagem enão fiz todas as conversões. Abraços.

      Excluir
  2. Nossa! Adorei o seu post sobre a Ilha de Pascoa! Esse lugar sempre me fascinou mas é difícil encontrar relatos tão detalhados.. fora que é bem caro mesmo, aí sempre acabei desanimando... vou retomar meus planos para conhecer a ilha o quanto antes!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Silvia, retorne mesmo seus planos, você não irá se arrepender!
      Abraçps.

      Excluir
  3. Gentem, um café da manhã por 100 reais?! Que loucura! Caramba, que situação!
    Bom saber que é importante checar bem a reserva para ter certeza que o café está incluso. Há mercado na ilha?
    Você disse que alugou um carro, mas que a ilha é pequena. Daria para alugar uma bike?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é loucora mesmo. Há mercados e aluguel de bike também, relatei isso no post.

      Excluir
  4. Sempre achei a ilha de Páscoa um lugar místico. Já olhei até passagens para ir passear por lá, porém outros destinos falaram mais alto. Mas realmente parece ser um ótimo lugar para descansar e se desligar do mundo! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lorena, o dinheiro que gastamos nessa viagem, daria para fazer outras tantas... Mas o desejo falou mais alto. Foi necessário e maravilhoso!

      Excluir
  5. Olha, o único Moai que vi foi em Viña del Mar... E ele já deu um gostinho, minúsculo que seja, do que seria visitar a Ilha de Páscoa. Acho que o mais interessante do lugar é como ele é misterioso. Caro, pelo visto. Mas acho que compensa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aquele de Viña foi o primeiro que vimos também e dias depoiis estávamos na Ilha com tantos outros. Compensa sim!

      Excluir
  6. Sempre tive curiosidade sobre a Ilha de Páscoa, é um lugar muito curioso realmente. Você vai escrever mais sobre? Fiquei com a impressão de que a ilha é muito remota. Tem muitos moradores?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou escrever mais sim, inclusive subiu agora um post novo! Beijos!

      Excluir
  7. Essa Ilha deve guardar muitos mistérios.. Os Moais são encantadores por fotos, imagino como deve ser curioso estar diante deles.
    Quem sabe um dia me rendo aos encantos da Ilha?!

    ResponderExcluir
  8. Meu sonho conhecer a Ilha de Páscoa! Tá na listinha... Não só pela beleza, mas pela história e cultura. Deve ser fantástico!
    Sei que é super caro, mas qual a média de gastos diário?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não concluí essa planilha de despesas, depois te conto, prometo!

      Excluir
  9. Li um livro uma vez sobre civilizações antigas que simplesmente desapareceram e fiquei fascinado com a história do povo que viveu na Ilha de Páscoa. Desde então estou louca pra conhecer. Excelentes dicas no post!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!!! Eu também li e assiti alguns documentários, isso me levou até lá. Abraços.

      Excluir
  10. Gente, para tudo! Ilha de Páscoa é um check in list incrível. Fico sonhando com esse museu a céu aberto. Esse ar de mistério deixa tudo mais curioso! Mesmo caro acredito que vale a pena. Vamos se programar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a pena sim! É uma viagem única e inesquecível!

      Excluir